Carreira

Veja dicas e sugestões para crescer em sua carreira profissional

Cliente

Desvende os mistérios do atendimento ao cliente

Liderança

A liderança efetiva é colocar em primeiro o que é mais importante. O gerenciamento efetivo é disciplina, realizando isso. (Stephen Covey)

Marketing

O objetivo do marketing é conhecer e entender o cliente tão bem que o produto ou o serviço será tão adequado a ele que acabará se vendendo sozinho

Projeto

A gestão de projetos é um dos maiores desafios para o mercado brasileiro atual e a demanda por profissionais capacidade só aumenta!

30 de dezembro de 2010

Compartilhar
Posted by J R On 23:11 6 comentários

Conheça a Geração Z

Uma nova geração vem surgindo, nascida e criada na era da internet, essas novas pessoas tem hábitos, costumes e valores muito diferentes das gerações anteriores. Os empregadores precisam se preparar para receber esses novos colaboradores, que aos poucos vão preenchendo as vagas de menores aprendizes e estagiários. 

Geração Z é a definição sociológica para definir geração de pessoas nascidas na segunda metade da década de 90 e nos anos 2000. Essa geração que costuma a não ter paciência e gosta de mudar rápido de atividade, ou ‘zapear’, assim como fazem de canal de comunicação em canal de comunicação (computador, celular, televisão, cinema, revista, pad e etc.), vão dar muita dor de cabeça aos profissionais de RH que não estiverem preparados. 

Hoje já são consumidores vorazes, muito bem informados e extremamente exigentes. Vamos conhecer um pouquinho mais sobre essa galerinha:

21 de dezembro de 2010

Compartilhar
Posted by J R On 06:00 0 comentários

Habilidades Interpessoais do Gerente de Projetos

As empresas brasileiras vêm cada vez mais adotando as técnicas de gerenciamento de projetos visando maior sucesso em seus empreendimentos com menos custo. O Guia de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos – PMBOK, é o livro mais aceito pelo mercado brasileiro, e ele aponta as melhores práticas para obter êxito nos projetos da corporação. Porém o fator mais importante do projeto são os membros que fazem parte dele. 

Não basta criar uma equipe para executar um projeto e nomear alguém como o gerente dessa equipe. É muito importante que o gerente de projetos tenha além do conhecimento das melhores práticas de gerenciamento uma ampla e madura habilidade de relacionamento interpessoal, pois se a equipe começar a se desunir o projeto já está fracassado por antecipação. A seguir um material que ajuda a esclarecer quais são essas habilidades interpessoais que o gerente deve adquirir e desenvolver:

 

17 de dezembro de 2010

Compartilhar
Posted by J R On 06:00 0 comentários

Código de Defesa do Consumidor

Sempre se falou muito no bom atendimento ao cliente, porém não é nada incomum conversar com atendes de lojas e gerente de vendas de pequenas e médias empresas que nunca leram o CDC - Código de Defesa de Consumidor. 

As grandes empresas possuem em geral um setor jurídico muito bem estruturado e qualquer desrespeito ao código geralmente é feito de maneira consciente, o que é muito grave. No caso das pequenas e médias empresas o problema está na falta de conhecimento desse código. 

Quando o pequeno e médio empresário prepara suas estratégias de crescimento sem levar em conta o CDC, podem estar inadvertidamente levando sua empresa à falência, pois basta não atender uma ou mais diretrizes do código e a enxurrada de reclamações que oneram a imagem da empresa e a avalanche de processos judiciais movidos por clientes que oneram o orçamento da empresa, podem vir a sepultá-la. Por isso, quando falar em atendimento, antes de caprichar no cafezinho do cliente, leia o CDC. 

Nesse link está ele na integra. O vídeo a seguir apresenta a importância do Código de Defesa do Consumidor para as empresas e para o consumidor brasileiro:

15 de dezembro de 2010

Compartilhar
Posted by J R On 06:00 0 comentários

O papel do Gerente de Projetos

Uma das profissões que mais vem crescendo no Brasil é a de Gerente de Projetos. Muitas empresas possuem projetos, ou seja, empreendimentos com data de inicio e fim definidos que geram um resultado ou produto, e esse projeto precisa de uma pessoa exclusivamente dedicada a gerencia-lo. 

Existe uma grande discussão sobre quais seriam as melhores qualificações para um gerente de projetos. Um engenheiro civil é o profissional mais qualificado para gerenciar o projeto da construção de um prédio, ou um profissional de outra área, porém com conhecimento e experiência em gestão de projetos faria uma gerência melhor? 

Ricardo Vargas, um dos gurus da área de Gestão de Projetos no Brasil fala de maneira brilhante sobre o assunto no vídeo a seguir:

13 de dezembro de 2010

Compartilhar
Posted by J R On 04:41 0 comentários

Responsabilidades acima de descrições de cargos

Muitas empresas sofrem com conflitos internos entre departamentos e colegas de trabalho. A raiz desse problema pode estar na forma com a própria empresa é estruturada, uma descrição demasiadamente detalhada de cargos geram uma rigidez que pode travar todos os processos internos sempre que um fato inesperado surgir, que não está dentro das descrições dos cargos, pois ninguém sabe de quem é a responsabilidade e inicia-se um empurra-empurra do problema, que muitas vezes começa pequeno e logo vira um grande e quase insolúvel problemão. 

As empresas devem ir muito além da descrição de cargos, devem ensinar a seus funcionários sobre o negócio do cliente, sobre como a empresa agrega valor ao negócio do cliente através da venda de seus produtos ou prestação de seus serviços e qual é a responsabilidade da empresa no atendimento a esses clientes e o atendimento aos seus próprios funcionários. O vídeo a seguir é uma animação que já se tornou um clássico dos setores de Recursos Humanos, mas que é muito válido no dia-a-dia empresarial:

9 de dezembro de 2010

Compartilhar
Posted by J R On 22:30 5 comentários

Ética na Liderança

O maior problema de Ética nas empresas é a omissão do líder no papel de implantar e garantir a ética nas relações profissionais, seja com fornecedores, nas relações entre empregados da empresa, com clientes, com entidades governamentais, com o bem estar social da comunidade e com o meio ambiente.

Um líder permissivo, que deixa que alguns profissionais mal intencionados criem discórdia dentro da empresa, usarem o e-mail ou memorandos como ferramentas de desunião e estresse, ou ainda que deixa seus funcionários agirem de maneira desleal junto a seus fornecedores ou aos seus clientes, é um líder que precisa ser afastado da gerência ou no mínimo reeducado para saber administrar conflitos e colocar a ética no dia-a-dia de sua empresa ou setor.

O problema se agrava quando o dono da empresa, os diretores, os acionistas ou o presidente é permissivo e anti-ético, o que com certeza gera as brigas internas mais homéricas na empresa e o cliente acaba ficando em último plano.

Isso acontece porque o alto comando não entendeu que um líder que promove um ambiente interno instável gera uma série de problemas como a perda de talentos, alta rotatividade de clientes, perda de mercado e perda de fornecedores responsáveis. Dessa maneira a ética empresarial está vinculada aos lucros e crescimento da empresa, a falta de ética é com certeza a falta de lucros mais substanciais e emperra o  crescimento do negócio.

A seguir um vídeo do programa televisivo O Aprendiz, onde o líder, no papel do empresário e apresentador de televisão Roberto Justus dá um exemplo de liderança ética. Divirtam-se:


Uma observação importante a ser feita no vídeo é a atitude do empresário Roberto Justus em demitir primeiramente o líder de grupo, pois ele é o responsável pela ética na empresa e só depois o empregado que cometeu o ato.

5 de dezembro de 2010

Compartilhar
Posted by J R On 15:51 0 comentários

Home office: ganha o empregado, ganha a empresa

Trabalhar em casa é uma grande vantagem para o empregado. Isso não é novidade. Mas o que estes dados comprovam é a economia de custos, retenção de talentos e o aumento de produtividade que a empresa tem quando envia parte da sua força de trabalho para um escritório em casa.

Economia de custos imobiliários: as empresas podem economizar cerca de US$ 2.000,00 por ano para cada empregado que não ocupa os espaços físicos da empresa, ou seja, se sua empresa permite que 100 empregados façam seu trabalho de casa, a economia pode chegar a US$ 200.000,00/ano. Com 25% do seu efetivo trabalhando remotamente (cerca de 320.000 empregados), a IBM teve uma economia de US$ 700 milhões em custos imobiliários. A AT&T já economizou seus 550 milhões de dólares. A Cisco, US$ 277 milhões.

A Sun Microsystems que tem 56% de seus trabalhadores (cerca de 19.000) trabalhando ao menos 1 vez por semana fora do escritório, reduziu em 15% seus custos imobiliários. E concluiu que um empregado que trabalha de casa custa de 30 a 70% menos para a empresa do que os que batem ponto no escritório (dados de 2007-2008).

Novas estratégias de otimizar espaço – como escritórios compartilhados, ou “hotelling” – mostraram receber alguma resistência por parte dos colaboradores. Mas com o teletrabalho, as mudanças foram muito bem aceitas.

Retenção: Uma pesquisa da EKOS Canadá revela que entre um aumento de salário e poder trabalhar de casa, 33% dos canadenses optaria pela segunda opção. E 43% pediria demissão se fosse para mudar para uma empresa que permite o teletrabalho.

Produtividade: dezenas de estudos provaram que os empregados que trabalham de forma remota de 1 a 3 dias por semana, aumentam sua produtividade em 10-20%. matematicamente falando: a cada 10 funcionários em teletrabalho, a empresa recebe um novo empregado “grátis”!

Os teletrabalhadores da American Express gerenciam 26% mais atendimentos e produzem 43% mais negócios que seus colegas no escritório tradicional. A Compaq, empresa de computadores, documentou um aumento de produtividade de 15 a 45%. E uma pesquisa conduzida na IBM Canadá (onde 20% da força de trabalho é de teletrabalhadores) indicou que seus empregados podem ser 50% mais produtivos em ambientes fora do espaço do escritório.

Na British Telecom, a produtividade dos 9000 empregados que trabalham de forma remota aumentaram em 31%. Na JD Edwards (uma empresa da Oracle), provou-se que os teletrabalhadores são 20 a 25% mais producentes que seus colegas do escritório.

Economia de tempo: No Canadá, um trabalhador perde em horas de trânsito, uma média de 6-8 semanas inteiras de trabalho só no deslocamento casa-trabalho-casa. Em São Paulo e em outras cidades brasileiras, a quantidade é provavelmente maior.

Absenteísmo: Um canadense deixa de ir trabalhar uma média de 10 dias/ano por motivos de doença, necessidade de cuidar de crianças ou idosos, greves, problemas climáticos, etc. O teletrabalho permite que mesmo nestas condições, parte do trabalho ainda pode ser realizado. Além disso, estudos mostram que o teletrabalho reduz o absenteísmo em até 20%.

Para quem pretende trabalhar em casa, ou para a empresa que pretende solicitar que parte de seus empregados trabalhem em suas casas, o vídeo a seguir ilustra os pontos positivos e negativos e os cuidados que devemos ter ao trabalharmos em home office. Divirtam-se:


Fonte: Site GoHome

4 de dezembro de 2010

Compartilhar
Posted by J R On 14:31 0 comentários

Empresas dirigidas pela geração Y

A geração Y é formada pelas pessoas nascidas nas décadas 1980 e 1990. É uma geração jovem, cheia de informação, plugada na internet e despreendidas dos valores das gerações anteriores.

Esse tipo de atitude se reflete nas empresas dirigidas por eles, a hierarquia é menos importante, horários são mais flexíveis, uniformes são quase que proibidos e o que importa é o resultado final.

Veja a seguir como o Facebook é dirigido pelo seu presidente Mark Zuckerberg, um ex-estudante de Harvard e um dos maiores representantes da forma de gestão dessa geração, veja ainda as empresas brasileiras que também são dirigidas pelos nossos representantes do GenY. Divirtam-se:

2 de dezembro de 2010

Compartilhar
Posted by J R On 06:00 0 comentários

Planeje sua carreira

Hoje o profissional está sempre apressado, sempre atrasado, com prazos estourados, fazendo atividades pouco produtivas, como reuniões sem objetivos claros, atendendo telefones, respondendo e-mails e realizando trabalhos mal dimensionados. Tudo é feito na última hora, esse comportamento acaba indo para nossa vida pessoal e acadêmica. Começa-se a lista de livros lidos pela metade, cursos interrompidos, planos paralisados e sonhos adiados. 

O profissional acaba esquecendo que para qualquer sucesso no trabalho e na vida, o mais importante é planejar. É muito mais produtivo andar em uma direção certa do que correr em todas as direções ao mesmo tempo.

Planeje sua carreira, escolha um objetivo, pense grande, defina uma meta: ‘quero ser o presidente da empresa nos próximos quatro anos’. Sonhar pequeno e sonhar grande custa a mesma coisa, ou seja, quase nada. Então sonhe grande. Se você desejar ser o presidente da empresa, o próximo passo é definir ‘o que é preciso para ser presidente da empresa?’. Dessa maneira você vai conseguir definir quais cursos acadêmicos fazer, quais livros ler e quais desafios se engajar.

O vídeo a seguir é uma verdadeira aula de planejamento profissional, apresentado pelo consultor Cristian Barbosa no programa da Globo News - Conta Corrente. Divirtam-se:


 
BlogBlogs.Com.Br